Metamorfose ambulante

82c5de7373c08da516fdd55a3c106eb1

Já fui muito diferente do que sou hoje. Já chorei por amores que não serviam de nada, e também já sorri das piadas mais bobas que você encontra na internet. Já gritei com quem amo, e depois fiquei com vergonha de pedir desculpas. Já tive vergonha de dançar numa festa, e quando cheguei em casa, fiquei relembrando e imaginando como seria se eu tivesse dançado [quem sabe aquele garoto gato não olhasse para mim?!]. Já tirei nota baixa por descaração e depois recuperei todo o tempo perdido. Já me arrependi de muita coisa que não fiz, e me arrependi mais ainda das coisas que fiz.

Vejo-me como uma metamorfose ambulante. Não sei ficar na mesmisse o tempo inteiro. Gosto de mudanças e isso é o que faz o mundo girar, na minha opinião. Tem dias que eu gosto do sol, pegar um bronze e apreciar o fim do dia no meu lugar preferido. Já em outros dias prefiro a chuva, o frio e um bom filme com pipoca e brigadeiro. Ficar enroladinha na cama sem fazer nada o dia todo é maravilhoso. Enjoo fácil das coisas e de pessoas também. Esteja comigo e mude junto comigo. Uma intensidade de coisas iguais, de uma rotina chata e estressante  não me impressiona nunca.

Desde que me entendo por gente sempre fui apaixonada pelo carnaval e por festas que eu pudesse estar totalmente elétrica, assim como o trio. Hoje, chegando na casa dos vinte anos, percebo que essa foi uma fase divertida, mas que agora eu preciso de sossego. Sabem aquela música do Jorge e Mateus que fala assim: “eu sosseguei, ontem foi a despedida da balada dessa minha vida de solteiro”?! Bom, ontem não fui pra balada me despedir de minha vida de solteira, mas eu ando bem sossegada faz um bom tempo. Nunca pensei que fosse tão bom.

Há alguns anos atrás, nessa época do ano, já estava a contar os minutos pra chegar o carnaval e ir pra avenida ver o trio passar. Logo eu, que sempre fui criada entre um trio e outro, nasci no mês de fevereiro, vivi a minha vida toda numa das principais avenidas do carnaval de Salvador, e nesse ano o que eu mais quero é sombra e água fresca. Um bom lugar para relaxar e ouvir boa música numa companhia boa.

A vida tem dessas, mudamos constantemente e eu decidi ser essa metamorfose ambulante.

 

Post Author
Bianca Rocha
Aquariana e bipolar, moça da cidade mas que passou a maior parte da vida na interior. Hoje, depois de muitos desencontros com o que seguir profissionalmente, estuda jornalismo e gosta de ouvir histórias iguais as que o seu pai contava quando ela era pequena.

DEIXE SEU RECADO USANDO UMA DAS REDES SOCIAIS

Ancorada no Instagram

Junte-se a nós no Instagram